Parcerias

Palm Oil Innovation Group

Palm Oil Innovation Group

A Agropalma é membro fundador do POIG e produz óleo de palma livre de desmatamento.

O Grupo de Inovação do Óleo de Palma (POIG) lançou recentemente um conjunto de indicadores para melhorar o desempenho em relação à Carta POIG, lançada em novembro de 2013. O documento toma como base os princípios e critérios do RSPO (Mesa Redonda do Óleo de Palma Sustentável) e aprimora os temas que ainda não sofreram avanços.

Veja detalhes:


No dia 28 de junho de 2013, durante a reunião da Tropical Forest Alliance, em Jacarta na Indonésia, foi lançado o Palm Oil Innovation Group (POIG). Trata-se da união de ONGs internacionais com alguns produtores de palma líderes reconhecidos em inovações socioambientais na indústria. Fazem parte do grupo as ONGs Greenpeace, WWF, RAN - Rainforest Action Network, FPP - Forest People Program e as empresas Agropalma (Brasil), Daabon (Colômbia) e New Britain Palm Oil (Papua e Nova Guiné).

Por meio de ações, a proposta é demonstrar novos modelos e paradigmas para a produção sustentável da palma. Intensificar e aprimorar os princípios e critérios da Mesa Redonda da Palma Sustentável (RSPO) que, segundo os participantes desse grupo, poderiam ser mais abrangentes durante a última revisão em janeiro de 2013, principalmente no que se referem ao desmatamento, estoques de carbono, biodiversidade e relações sociais. Alguns pontos a destacar são:


Critérios do POIG

1 - Responsabilidade ambiental
1.1 - Quebrar o vínculo entre expansão da indústria de óleo de palma e desmatamento: proteção ambiental com conservação e restauração de áreas de Alto Valor de Conservação (HCV) e de Alto Teor de Carbono (HCS);
1.2 - Sem destruição de turfas e pela manutenção de turfeiras;
1.3 - Responsabilidade pela Emissão de Gases de Efeito Estufa (GHG);
1.4 - Minimização do uso de pesticidas;
1.5 - Fertilizantes Químicos;
1.6 - Proibição de OGMs – Organismos Geneticamente Modificados;
1.7 - Responsabilidade pelo uso da água;
1.8 - Proteção e conservação da vida silvestre.

2 - Parcerias com comunidades
2.1 - Consentimento Livre e Esclarecido (FPIC) de povos indígenas e comunidades locais;
2.2 - Segurança alimentar;
2.3 - Resolução eficaz de conflitos;
2.4 - Condições sociais;
2.5 - Direitos dos trabalhadores;
2.6 - Apoio a pequenos produtores de óleo de palma.

3 - Integridade corporativa e de produto
3.1 - Transparência e corrupção;
3.2 - Rastreabilidade e segregação;
3.3 - Relatórios sobre desempenho Social, trabalhista e ambiental;
3.4 - Certificação RSPO e Operações da Empresa.

Fechar