Desmatamento Zero

O sucesso dos Programas de Proteção das Reservas Florestais e Monitoramento da Biodiversidade se deve à política de desmatamento zero e preservação florestal adotada pelo Grupo no ano de 2001.

Nesse ano, a empresa conduziu o último desmatamento em suas terras, devidamente licenciado e autorizado pelo órgão ambiental competente. Adotou desde então a política de banir os desmatamentos e estabelecer novas plantações somente em áreas já degradadas pela atividade humana.

 

NOVOS PLANTIOS

A Agropalma estabelece novos plantios de acordo com os seguintes critérios, os quais são aplicados para as plantações próprias e para as plantações de agricultores familiares e produtores integrados que possuem parceria com a Empresa:

  • Realizar estudo de impactos socioambientais, o qual inclui a avaliação de altos valores (AVC) para conservação, antes do plantio. A avaliação de AVC é realizada por um profissional credenciado pelo HCV Network’s Accreditation Licensing Scheme.
  • A área a ser plantada não é ou não foi coberta por vegetação nativa, mesmo florestas secundárias, desde novembro de 2005.
  • A área a ser plantada não possui qualquer Alto Valor para Conservação.
  • A área a ser plantada não possui solos turfosos ou orgânicos ou qualquer outro tipo de solo considerado inapropriado para o plantio da palma de óleo.
  • Novos plantios realizados em parcerias com com agricultores familiares ou produtores integrados serão estabelecidos somente após eles manifestarem seu consentimento livre, prévio e informado.

OBS: Desde novembro de 2013, quando a Carta POIG foi publicada e trouxe o conceito de avaliação de Altos Estoques de Carbono (AEC), a Agropalma não estabeleceu qualquer nova plantação e os poucos novos plantios feitos polos produtores integrados foram realizados em áreas com vegetação não nativa, principalmente pastagens, de modo que não houve necessidade de fazer qualquer avaliação de AEC.

Fechar